domingo, dezembro 16, 2007

O aprendiz de mago

Era uma vez um rapaz órfão, e como não tinha para onde ir, foi viver para casa do tio.
Acontece que o tio era muito misterioso, ás vezes, ele desaparecia do nada e usava uma capa azul escura com estrelas bordadas a linha dourada. Ele também usava um chapéu pontiagudo e alto azul-escuro.
Assim que o rapaz chegou a casa do tio foi muito bem recebido, pois o tio era muito simpático:
-Olá, sê bem-vindo, põe-te á vontade! – Disse o tio.
-Muito obrigado. – Respondeu o rapaz.
-Deixa-me levar as tuas coisas e indicar o teu quarto. É verdade, depois tens ali um copo de leite morno e umas bolachas que eu tirei do forno à 15 minutos.
Depois de o rapaz se instalar, foi comer as bolachas e beber o leite morno, foi então que o tio disse:
-É verdade, já me esquecia de te dizer que agora que vives aqui, tenho de te contar o meu maior segredo, mas só depois de acabares de comer!
O rapaz começou a comer à pressa, com o desejo de saber o que o tio tinha para lhe dizer.
Quando acabou o tio tirou o chapéu, e de dentro do chapéu ele tirou uma varinha mágica.
-E agora observa. – Disse o tio.
Disse umas palavras estranhas e apontou a varinha para o rapaz.
O rapaz nem conseguia acreditar, pois diante dos seus olhos, a magia do tio fez a sua roupa ficar igual á dele.
-Assim está melhor! – Disse o tio.
-Como é que tu fizeste isso tio? – Perguntou espantado o rapaz.
-Bem, é que na verdade eu sou um mago, ou seja, um feiticeiro. – Respondeu o tio – E a partir de agora tu vais ser o meu aprendiz e ajudante de laboratório.
-Tu tens um laboratório?
-Claro que sim!
-E a sério que me vais ensinar a ser um mago?
-Com certeza!
-Boa!
-Por mil estrelas cadentes, não é assim tão fácil tornar-se mago!
-Mas tu usas varinha!
-Sim, mas para tu teres uma varinha, é preciso primeiro saberes fazer magia com as mãos e aprenderes a pronunciar correctamente as palavras mágicas.
-É muito difícil?
-Bem, um pouco. Mas é por isso que te vou mostrar o meu laboratório e a minha biblioteca que está repleta de livros e sonhos.
-Sonhos?
-Sim, sonhos. É bom sonhar! Anda, segue-me!
O sobrinho seguiu-o um pouco nervoso, mas muito contente.
O tio abriu uma porta e o rapaz olhou maravilhado. Era o laboratório do tio! Estava repleto de poções mágicas de todas as cores e cheiros. No fundo da sala havia um caldeirão com 2 metros de altura e 2.50 metros de largura. Era incrível! Havia todo o tipo de ferramentas de laboratório.
-É aqui que vamos trabalhar durante os próximos anos. – Disse o tio – Vá, agora segue-me até á biblioteca!
-Tio, só mais uma pergunta. Como é que tu mexes aquele caldeirão? – Perguntou o sobrinho.
-Com magia, claro. É o ingrediente secreto de todas as poções. – Respondeu o tio – Agora segue-me.
O tio foi pelo corredor e abriu uma porta.
O sobrinho mais uma vez ficou espantado no que os seus olhos viam. Era a biblioteca! Tinha estantes com 10 metros de altura repleta de livros. Havia livros com asas que voavam de um lado para o outro. Mas o que o espantou mais foi imagens de sonhos jamais antes sonhados que voavam pela sala.
-Isto é maravilhoso tio! – Disse o sobrinho.
-Esta sala tem um encantamento lançado por mim. – Disse o tio.
-Está espectacular, parabéns!
-Obrigado.
-Vamos passar bons anos!
O certo é que nos anos seguintes, o sobrinho do mago conseguiu
tornar-se num mago a sério e até já tem a sua própria varinha! O seu tio está bem orgulhoso.
Sabem quem sou eu? Eu sou uma feiticeira amiga daqueles dois magos. Vi-os no último encontro anual de magos e feiticeiros. Eles são incríveis!


Raquel

1 comentário:

Margarida disse...

Achei a História magnifica, foste tu que escreveste?